NOSSA HISTÓRIA

A história da cotonicultura na Bahia pode ser contada em dois capítulos. No primeiro, o cenário era o Sudoeste, onde fica o município de Guanambi, que há cerca de 20 anos protagonizava um momento áureo, quando o algodão herbáceo chegou a ocupar 300 mil hectares e empregar diretamente no campo e no beneficiamento, aproximadamente, 200 mil pessoas. Esta época de prosperidade econômica para a região e para o estado teria se perpetuado, não fossem dois vilões: a exaustão do solo, compactado pela grade aradora e, principalmente, o bicudo-do-algodoeiro. Com a entrada do algodão no cerrado da Bahia, uma nova página começou a ser escrita nesta saga. Agora, o cenário é o Oeste, onde a cultura se estende por mais de 400.000 hectares e faz do estado o segundo maior produtor do país.


Essa história soma apenas doze anos, mas serve de referência para o agronegócio, dentro e fora do Brasil. Aprender com o passado foi uma das razões para o sucesso da atividade na região. Assim, foi necessário organizar a cadeia produtiva e adotar tecnologias modernas para garantir mais produtividade, com menos impacto para o solo e o meio ambiente. Foi nesse contexto que no ano 2000 um grupo de produtores se uniu para criar a Associação Baiana dos Produtores de Algodão, a Abapa. A entidade é o reflexo de uma nova mentalidade produtiva, ao mesmo tempo em que aponta rumos para a atividade, com base em muito trabalho e pesquisa científica e de mercado.


MISSÃO

Representar os interesses da cotonicultura do Estado da Bahia e promover o algodão baiano nos mercados nacional e internacional de forma sustentável e integrada.


VISÃO

Ser reconhecida nacional e internacionalmente como referência associativa, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do algodão da Bahia e do Brasil.


VALORES

• Compromisso com os interesses dos associados;


• Transparência e excelência na gestão e serviços prestados;


• Foco nos resultados;


• Ética e profissionalismo;


• Zelo e respeito às comunidades com as quais se relaciona;


• Valorização das pessoas e seu bem estar;


• Responsabilidade socioambiental e com o desenvolvimento sustentável.


OBJETIVOS

• Participar, em conjunto com os órgãos públicos e outras entidades que atuam no meio rural, de ações em defesa dos interesses do setor, para o desenvolvimento da sustentável da agricultura;


• Desenvolver ações para a agregação de valor à cotonicultura baiana;


• Criar, organizar e manter todos os serviços que possam ser úteis aos associados;


• Divulgar a qualidade do algodão baiano tanto no mercado interno como externo;


• Promover a adoção de regras, normas e sistemas que possam beneficiar e aperfeiçoar o trabalho e a produtividade, assim como comercialização do algodão;


• Divulgar a importância da cotonicultura para o desenvolvimento econômico e social do Estado da Bahia;


• Promover a responsabilidade social e o respeito ao meio ambiente.